Espiritualidade e política na contemporaneidade

SINOPSE

Espiritualidade e política.

In God we trust. 

A conhecida frase na cédula do dólar americano é também o lema dos Estados Unidos e tem origem em um ato do Congresso de 1956. No entanto, a frase levanta controvérsias: se defende, por exemplo, uma necessária separação do Estado e da Igreja, justificando a remoção do uso público do lema, reforçada pelo argumento de que o nome de Deus não deveria ser utilizado em algo tão banal quanto o dinheiro. Outra visão entende que o Congresso não pode impor a religião do Estado à população ou, nem mesmo a crença na existência de Deus. 

Nesse mesmo caminho, segue a obra que aqui se apresenta e as reflexões que lhe deram origem. “Seria possível dissociar o pensamento ou a ação política de valores que, por sua vez, parecem manter certo vínculo com a dimensão da espiritualidade? (…) o que está em jogo no apagamento contemporâneo do tema da espiritualidade, ou, então, em sua identificação apressada a fundamentalismos religiosos, sobretudo quando se trata de questionar o seu possível vínculo com a política? Quais seriam e para quais fins serviriam os pressupostos do não reconhecimento da espiritualidade como dimensão implícita da política em nossa contemporaneidade?” André de Macedo Duarte, Daniel Verginelli Galantin e Thiago Fortes Ribas 

Encontrar as respostas para essas e tantas outras inquietações acerca da relação entre espiritualidade e política demanda uma análise tão complexa e específica que justifica o nascimento deste livro. Ao longo de seus capítulos, os autores refletem até mesmo sobre o sentido dos termos e sua abertura a horizontes hermenêuticos e semânticos também  distintos. 

Tendo como ponto comum o fato de que seus autores e autoras reconhecem a premência de se pensar, no mundo contemporâneo, o problema da relação entre política e espiritualidade, os ensaios que compõem este livro partem de análises, reflexões e discussões e se dividem em três grandes partes: 1Parte: Foucault, carne, subjetividade, espiritualidade e política; 2a Parte: Foucault, diálogos e usos possíveis em torno da espiritualidade; 3a Parte: Perspectivas contemporâneas sobre espiritualidade e política. 

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Impresso
Formato: 16 x 23 cm
Páginas: 312
Ano: 2021 

E-book
Formato: epub
Páginas: 220
Ano: 2021 

 Referência
GALANTIN, D. V.; RIBAS, T. F. Espiritualidade e política na contemporaneidade. Curitiba: PUCPRESS, 2021. 

AUTOR

Daniel Verginelli Galantin 
 
Thiago Forbes Ribas 

COMPARTILHE

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

SUMÁRIO

Apresentação 

1ª Parte: Foucault, carne, subjetividade, espiritualidade e política 

      Cap. 1 | Do sujeito de desejo ao sujeito de direito: uma genealogia 
      cristã da governamentalidade neoliberal? 

      Cap. 2 | Subjetividade e verdade no pensamento de Foucault entre 1978 e 1984 

      Cap. 3 | Crise de espiritualidade, crise de governamentalidade. Foucault e a Europa 

      Cap. 4 | Foucault no Irã: escatologia xiita e espiritualidade política 

      Cap. 5 | A obediência como dimensão da experiência cristã da Carne 

2ª Parte: Foucault, diálogos e usos possíveis em torno da espiritualidade 

      Cap. 6 | Da arte da “inservidão voluntária”: “espiritualidade”, poder e contra-poder em Étienne           de La Boétie e Michel Foucault 

      Cap. 7 | Espiritualidade anárquica: estética da existência e potência 
      destituinte em Foucault e Agamben  

      Cap. 8 | Como não esquecer de viver o presente: um ensaio sobre a espiritualidade do amor  

      Cap. 9 | O ato Ético e político do sujeito cantante procedido no corpo e na voz  

3ª Parte: Perspectivas contemporâneas sobre espiritualidade e política 

      Cap. 10 | Notas sobre espiritualidade e justiça 

      Cap. 11 | Mundo Imaginal: ensaio para uma topologia da insurreição  

      Cap. 12 | Critica Xamânica da mercadoria  

      Cap. 13 | O poder da Infância: espiritualidade e política em afroperspectiva 

OUTRAS PUBLICAÇÕES