Nós, ciborgues

SINOPSE

Nós, ciborgues.

Na primeira edição da obra Nós, Ciborgues, a autora permitiu ao leitor acompanhar temáticas de paradigmas opostos, levantadas ainda no período de realização de sua tese de doutorado, e que suscitaram o debate homem/máquina. Temas dicotômicos, como natureza x cultura, filosofia x arte x ciência, subjetividade x objetividade, perpassam os assuntos centrais da primeira obra. Nesse aspecto, Fátima Regis já apontava caminhos para o refinamento dos sentidos humanos como um dos elementos e maiores desafios a serem perseguidos pela máquina.

Já a atual 2ª edição amplia e atualiza esse universo de humanização da máquina, de forma a considerar os actantes (Teoria Ator-Rede de Bruno Latour) como elementos que podem fugir à subjetividade, quando se pensa nos autômatos e nas formas de manifestação dos bots, da programação e da inteligência artificial no universo contemporâneo da cultura digital. Nesta edição, o capítulo sobre inteligência artificial, que contextualiza o ambiente do metaverso, amplia o conteúdo referente ao processo de cognição, uma vez que considera o ambiente e as interações sociais e sensoriais como parte do processo cognitivo. Nesse sentido, vale a leitura revista, adaptada e atualizada, necessária no contexto em que a cognição é vista como parte de um composto que comporta o corpo, os sentidos e os afetos. (Trecho do Prefácio, de Alessandra Maia, José Messias, Letícia Perani e Raquel Timponi).

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Impresso
Formato:  15,5 x 21 cm
Páginas: 276
Ano: 2023

E-book
Formato: epub
Páginas: xxx
Ano: 2023

Referência
RÉGIS, Fátima. Nós, ciborgues: tecnologias de informação e subjetividade homem-máquina. 2. ed. rev., atual. e ampl.
Curitiba: PUCPRESS, 2023. 276 p.

AUTOR

Fátima Régis fez graduação em Comunicação Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1991), mestrado (1996) e doutorado (2002) em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. É Professora Adjunta da Faculdade de Comunicação Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FCS/UERJ), onde leciona na graduação e na pós-graduação. É Procientista da UERJ e consultora Ad hoc do CNPq, da FAPERJ e da FAPEMIG. É líder do Laboratório de Pesquisa em Comunicação, Lúdico e Cognição (CiberCog – Diretório CNPq) e pesquisadora associada do LAD (Laboratório de Artefatos Digitais) do PPGCI/UFRGS. Coordena a Rede de pesquisa CLAC (Comunicação, Lúdico, Afeto e Cognição), que envolve pesquisadores da UERJ, UFJF, UFMA e UFU. Atualmente desenvolve o Projeto de Pesquisa “New Media Literacies: aprendizagem participativa, multimodal e lúdica na cultura digital”, financiado pelo CNPq e pelo Prociência/UERJ/FAPERJ. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Teoria da Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: cultura digital, comunicação multimodal, teoria do afeto, estudos de cognição, ficção científica e subjetividade.

COMPARTILHE

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

SUMÁRIO

PREFÁCIO DA AUTORA À SEGUNDA EDIÇÃO

PREFÁCIO À SEGUNDA EDIÇÃO: ENTRE SABERES E COMPETÊNCIAS, UMA FORMAÇÃO PARA A VIDA

PREFÁCIO

INTRODUÇÃO

PARTE 1 – UM NOVO SABER, UMA NOVA SUBJETIVIDADE

  1 RUMO AO INTERIORE HOMINE

1.1 CORPO-MÁQUINA, MENTE DIVINA

1.2 EU PONTUAL, DE JOHN LOCKE

1.3 O SOMNIUM, DE JOHANNES KEPLER

  2 MODERNIDADE: SUBJETIVIDADE, TECNOCIÊNCIA E FUTURO

2.1 ERGUEM-SE AS FRONTEIRAS ENTRE HOMENS, ANIMAIS E MÁQUINAS

2.2 O OUTRO EU E A OUTRA SOCIEDADE

2.3 A REVOLTA ROMÂNTICA: O BELO COMO VALOR ABSOLUTO

2.4 A MAQUINAÇÃO DO SUBJETIVO

PARTE 2 – FICÇÃO CIENTÍFICA: UMA NARRATIVA SOBRE O HUMANO

  3 COMO A FICÇÃO CIENTÍFICA CONQUISTOU A ATUALIDADE

3.1 UM GÊNERO INDOMÁVEL

3.2 HERDEIROS DAS FÁBULAS

3.3 AS CONDIÇÕES MODERNAS DE SURGIMENTO DA FICÇÃO CIENTÍFICA: SUBJETIVIDADE, TECNOCIÊNCIA E FUTURO

3.4 CURIOSIDADE E EXPERIMENTAÇÃO: A FICÇÃO CIENTÍFICA COMO UMA FORMA DE ARTE ENTRE A CIÊNCIA E A FILOSOFIA

  4 ROBÔS, DEMASIADAMENTE HUMANOS

4.1 FRANKENSTEIN (MARY SHELLEY)

4.2 O JOGADOR DE XADREZ DE MAELZEL (EDGAR ALLAN POE)

4.3 R.U.R. – ROSSUM’S UNIVERSAL ROBOTS (KAREL CAPEK)

PARTE 3 – AS TECNOLOGIAS DIGITAIS E A SUBJETIVIDADE HOMEM-MÁQUINA

  5 AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E A SUBJETIVIDADE HOMEM-MÁQUINA

5.1 PROBLEMATIZANDO AS FRONTEIRAS MODERNAS 1: VIDA E MATÉRIA

5.2 PROBLEMATIZANDO AS FRONTEIRAS MODERNAS 2: MATÉRIA E PENSAMENTO

5.3 CORPO HÍBRIDO

5.4 OS NÃO HUMANOS: INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E ROBÓTICA

5.5 TECNOLOGIAS, REDES DIGITAIS E CORPOS: HÍBRIDOS, CLONADOS E SINTÉTICOS

  6 OS ANDROIDES SONHAM COM CARNEIRINHOS ELÉTRICOS?

6.1 ROBÔS

6.2 ANDROIDES E GINOIDES

6.3 COMPUTADORES

  7 A SUBJETIVIDADE CIBER: TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E AS NOVAS EXPERIÊNCIAS DO HUMANO

7.1 AS HETEROTOPIAS DA FICÇÃO CIENTÍFICA

7.2 CIBERESPAÇO

7.3 CYBERPUNK

7.4 METAVERSO

7.5 CIBORGUE

REFERÊNCIAS

NOTAS DE FIM

OUTRAS PUBLICAÇÕES

NOTÍCIAS